ÁSIA/INDONÉSIA - Estudantes católicos denunciam um líder islâmico por ‘blasfêmia’

Terça, 10 Janeiro 2017 islã   jovens   sociedade civil   fundamentalismo religioso   política   blasfêmia   minorias religiosas   liberdade religiosa  

O líder muçulmano Habib Rizieq

Jacarta (Agência Fides) – A União católica dos estudantes universitários da Indonésia (Perhimpunan Mahasiswa Katolik Republik Indonesia, PMKRI) apresentou uma denúncia por blasfêmia contra o religioso muçulmano Habib Rizieq Shihab, líder da Frente dos Defensores do Islã (FPI), organização extremista que promoveu nos últimos tempos atos de hostilidade e violência contra a minoria cristã. Os estudantes católicos acusam Habib Rizieq de ofender a fé cristã em um discurso, cujo vídeo foi difundido pela Internet em 25 de dezembro passado.
Como apurado pela Fides, o estudante católico Angelo Wake Kako, presidente da União, citou Habib Rizieq e outros dois muçulmanos: Fauzi Ahmad, que carregou o vídeo do discurso em uma conta "Instagram", e Saya Reya, que o postou na rede "Twitter".
"A afirmação de Rizieq sobre o Natal humilhou e feriu os cristãos", explica Angelo Wake à Fides. "Todos os indonésios devem respeitar a diversidade e as outras religiões” disse. Rizieq é acusado de violar o art. 156 (a) do código penal, que configura o reato de "blasfêmia" e prevê a pena máxima de cinco anos de detenção. O crime é o mesmo pelo qual é também acusado o governador de Jacarta, Basuki "Ahok" Tjahaja Purnama, atualmente sob processo em um tribunal distrital de Jacarta norte.
Os estudantes católicos reuniram uma equipe de 149 advogados indonésios, prontos para dar a sua contribuição e garantir assistência legal no caso de blasfêmia denunciado contra Rizieq. A polícia abriu um inquérito sobre o caso, que pode terminar no tribunal.
Falando à Fides, o bispo Harun Yuwono, presidente da Comissão episcopal para assuntos ecumênicos e inter-religiosos da Conferência Episcopal indonésia, elogia “a coragem da União Católica dos estudantes universitários”, embora tema uma reação exagerada dos extremistas diante da acusação, que pode ser interpretada como uma “aberta hostilidade”. Por isso, o Bispo exorta a envolver outros muçulmanos para deplorar e estigmatizar as ofensas contra a fé cristã, a fim de “mostrar a importância da unidade, da paz e da harmonia inter-religiosa na Indonésia”, disse. “Por exemplo, os membros da organização islâmica Nahdlatul Ulama (NU) não apreciam atitudes que humilham o catolicismo e ameaça a paz na Indonésia, insultando as religiões não muçulmanas”.
Nesta situação delicada, o Secretário executivo da Comissão episcopal para assuntos ecumênicos e inter-religiosos, pe. Agustinus Ulahayanan, exortou os batizados à prudência, “para não fomentar um conflito social e religioso e a manter sempre a unidade”; a “defender a justiça, a verdade e a diversidade no quadro pluralista da Indonésia, respeitando as religiões e pedindo respeito pela nossa”. Depois da denúncia dos estudantes católicos, também o "Student Peace Institute" (SPI), organização estudantil não confessional que reúne estudantes de todas as religiões, apresentou uma denúncia à polícia assinalando que a retórica de Habib Rizieq difunde palavras de ódio e ameaça a harmonia inter-religiosa na Indonésia”. (PA-PP) (Agência Fides 10/1/2017)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network
islã


jovens


sociedade civil


fundamentalismo religioso


política


blasfêmia


minorias religiosas


liberdade religiosa