Fides News Portuguêshttp://fides.org/As notícias da Agência Fidesen-usAMÉRICA/CUBA - Franciscanos seculares em Cuba: cada vez mais envolvidos nas paróquias com 15 fraternidadeshttp://fides.org/pt/news/39789-AMERICA_CUBA_Franciscanos_seculares_em_Cuba_cada_vez_mais_envolvidos_nas_paroquias_com_15_fraternidadeshttp://fides.org/pt/news/39789-AMERICA_CUBA_Franciscanos_seculares_em_Cuba_cada_vez_mais_envolvidos_nas_paroquias_com_15_fraternidadesHavana - A Ordem Franciscana Secular em Cuba conta 318 professos perpétuos que estão comprometidos em viver o Evangelho segundo o carisma de São Francisco de Assis nas 15 fraternidades presentes na ilha.<br />De 16 a 19 de abril celebraram em Havana o seu Capítulo nacional, para avaliar os últimos três anos de trabalho e identificar os desafios para o futuro.<br />Segundo informações enviadas à Fides, em poucos anos, o número de fraternidades em Cuba aumentou de 6 para as atuais 15, e seus membros estão ativamente engajados principalmente em vários campos da pastoral nas paróquias, catequese, liturgia, assistência aos pobres. O seu trabalho é considerado muito válido e importante nos últimos anos que marcaram a maior liberdade da Igreja e o crescimento da Fraternidade.<br />O capítulo foi presidido por Ricardo Herrera, responsável nacional das Fraternidades da Costa Rica, como delegado do Ministro geral, Tibor Kauser, e pelo assistente geral Pe. José Antonio Cruz Duarte, OFM. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200AMÉRICA/CUBA - A visita do Papa vai apoiar a Igreja cubana em sua atenção para a causa da paz e do bem comumhttp://fides.org/pt/news/39788-AMERICA_CUBA_A_visita_do_Papa_vai_apoiar_a_Igreja_cubana_em_sua_atencao_para_a_causa_da_paz_e_do_bem_comumhttp://fides.org/pt/news/39788-AMERICA_CUBA_A_visita_do_Papa_vai_apoiar_a_Igreja_cubana_em_sua_atencao_para_a_causa_da_paz_e_do_bem_comumHavana - “A Igreja Católica em Cuba recebeu com grande alegria a notícia da visita do Papa para o mês de setembro, na nova era de aproximação com os Estados Unidos, um processo em que o Vaticano agiu como mediador”, disse à imprensa o secretário adjunto da Conferência Episcopal de Cuba, Mons. José Félix García. O porta-voz da Arquidiocese de Havana, Orlando Marquez, disse que “a visita do Papa, de caráter pastoral, vai apoiar a Igreja cubana em sua tradicional atenção para a causa da paz e do bem comum”. O porta-voz destacou, em seguida, o “privilégio” de Cuba em acolher três pontífices: João Paulo II em 1998, Bento XVI, em 2012, e agora o Papa Francisco. Papa Francisco estará em Cuba, em setembro, em datas a serem definidas, antes de sua visita aos Estados Unidos. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/TURQUIA – Inicia a greve de fome para exigir o reconhecimento do Genocídio assíriohttp://fides.org/pt/news/39787-ASIA_TURQUIA_Inicia_a_greve_de_fome_para_exigir_o_reconhecimento_do_Genocidio_assiriohttp://fides.org/pt/news/39787-ASIA_TURQUIA_Inicia_a_greve_de_fome_para_exigir_o_reconhecimento_do_Genocidio_assirioIstambul - Os cristãos sírios, assírios e caldeus em Midyat, na província turca de Mardin, começaram uma greve de fome com a intenção de destacar ao público o centenário dos massacres de Anatólia de 1915 que também dizimaram as comunidades cristãs, assírias e caldeias, além da armênia. Desta forma, as comunidades cristãs orientais sírias pedem que sejam reconhecidos, além do Genocídio armênio, também as atrocidades do chamado Genocídio assírio, conhecido pela expressão em língua siríaca Seyfo , que causaram segundo pesquisas históricas credenciadas, milhares de mortes. A greve de fome continuará até o final de abril e quem aderir jejuará 100 horas, para indicar os cem anos desses acontecimentos trágicos.<br />Enquanto isso, como relatado por fontes turcas consultadas pela Agência Fides, o Vigário Patriarcal Armênio Aram Ateshian, do Patriarcado armênio de Constantinopla, agradeceu a mensagem de condolências dirigida recentemente pelo primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, aos descendentes de armênios mortos “durante a deportação de 1915”. Na opinião do vigário patriarcal – encarregado de assumir o Patriarcado no lugar do Patriarca Mesrob II, que sofre de doença incurável - a mensagem enviada por Davutoglu é como “um ramo de oliveira” oferecido pela liderança turca aos armênios. O governo turco já confirmou a presença de seus representantes na missa de sufrágio das vítimas do “Grande Mal” programada hoje em Istambul, na Igreja do Patriarcado Armênio. .Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/FILIPINAS - Líderes religiosos muçulmanos e cristãos: “Rever a Lei fundamental Bangsamoro”http://fides.org/pt/news/39786-ASIA_FILIPINAS_Lideres_religiosos_muculmanos_e_cristaos_Rever_a_Lei_fundamental_Bangsamorohttp://fides.org/pt/news/39786-ASIA_FILIPINAS_Lideres_religiosos_muculmanos_e_cristaos_Rever_a_Lei_fundamental_BangsamoroZamboanga – É urgente um suplemento de reflexão. Numa recente declaração, enviada à Agência Fides, o Conselho Inter-religioso de Líderes da cidade de Zamboanga, na ilha de Mindanao, afirma “a importância de rever a Lei fundamental Bangsamoro em alguns pontos que precisam ser modificados para encontrar uma forma de harmonizar as aspirações dos diferentes grupos muçulmanos, para ouvir os comentários e sugestões de outros componentes da população de Mindanao”, a fim de garantir uma abordagem verdadeiramente inclusiva.<br />“A aprovação da lei é a última etapa de um longo percurso por um acordo de paz em Mindanao”, explica à Fides Pe. Sebastiano D'Ambra, PIME, fundador do Movimento para o diálogo "Silsilah" em Zamboanga, que promove a cultura do diálogo como um caminho para a paz.<br />“Hoje - disse o missionário - o fator do medo é usado por aqueles que são desfavoráveis, e por aqueles que são a favor da aprovação do BBL. Após a recente onda de violência e o crescimento de novos grupos revolucionários com abordagens mais radicais, o medo se torna um fator determinante e o cenário se torna mais alarmante”.<br />“Estou em Mindanao desde 1977 para promover o diálogo e a paz. Ainda hoje, muitos não gostam e não acreditam nesse diálogo. A missão do diálogo e da paz está se tornando cada vez mais difícil, especialmente por causa dos grupos radicais internacionais que encontram simpatizantes e apoio nas Filipinas”, referiu Pe. D'Ambra.<br />“Mas o que vai acontecer com a nossa bela terra, se o processo de paz não encontrar a solução adequada, não só em termos de um acordo, mas especialmente em termos de respeito e confiança entre as pessoas?”, se pergunta o missionário. “Devemos ser mais criativos e apresentar pontos mais positivos que inspiram as pessoas a construírem o desenvolvimento e a paz em Mindanao através de um processo de reconciliação e confiança entre os diferentes setores da sociedade”, concluiu. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/MALÁSIA - Remoção forçada de uma cruz: o governo ordena uma investigaçãohttp://fides.org/pt/news/39785-ASIA_MALASIA_Remocao_forcada_de_uma_cruz_o_governo_ordena_uma_investigacaohttp://fides.org/pt/news/39785-ASIA_MALASIA_Remocao_forcada_de_uma_cruz_o_governo_ordena_uma_investigacaoKuala Lumpur - O governo da Malásia ordenou uma investigação depois que um grupo de manifestantes muçulmanos forçou uma pequena igreja protestante no bairro de Taman Medan, na capital Kuala Lumpur, a remover uma cruz colocada no topo do edifício de culto. O primeiro-ministro Najib Razak disse que o executivo, informado sobre o ato ilegal, deu a ordem para reprimir os manifestantes segundo a lei em vigor sobre a sedição.<br />De acordo com informações obtidas por Fides, no domingo, 19 de abril, um grupo de cerca de 50 manifestantes iniciou a protestar violentamente afirmando que a cruz, um dos símbolos centrais do cristianismo, representava "um desafio ao Islã" e poderia "influenciar a fé dos jovens".<br />Segundo a reconstrução da polícia, dentre os líderes do protesto estava também o irmão de um inspetor geral da polícia. "As investigações serão conduzidas sem medo ou favor", disseram as autoridades locais. O protesto gerou indignação entre os não-muçulmanos e muçulmanos moderados, muitos dos quais manifestaram preocupação com os crescentes sinais de intolerância religiosa no país. Enquanto isso, os líderes cristãos exortam a não tomar nenhuma medida contra os manifestantes. O Pastor Datuk Jerry Dusing, chefe da Igreja Evangélica de Bornéu, disse que “seria contraproducente penalizar a ignorância com uma ação legal contra os manifestantes. A humilhação só gera mais ódio”. Em vez disso, ressaltou, "estamos confiantes de que, se os manifestantes entendessem o verdadeiro significado da cruz a veriam como um símbolo do amor e da misericórdia de Deus. A cruz não desafia ninguém”. “Acreditamos que é importante promover uma maior compreensão entre todos os malaios. Olhamos para frente, construindo o diálogo e a harmonia social e religiosa na nação”, concluiu. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁFRICA - Apenas uma criança africana a cada 5 que sofre de malária recebe tratamento eficientehttp://fides.org/pt/news/39784-AFRICA_Apenas_uma_crianca_africana_a_cada_5_que_sofre_de_malaria_recebe_tratamento_eficientehttp://fides.org/pt/news/39784-AFRICA_Apenas_uma_crianca_africana_a_cada_5_que_sofre_de_malaria_recebe_tratamento_eficienteCartum – Celebra-se neste sábado, 25 de abril, o Dia Mundial contra a Malária. Infelizmente, o fenômeno ainda é muito difundido e pelas últimas denúncias da Organização Mundial de Saúde resulta que somente uma criança africana a cada 5 que sofre de malária recebe os devidos cuidados, não obstante três quartos das mortes causadas pela doença esteja entre os menores. Além disso, 15 milhões de mulheres grávidas não recebem ainda uma dose de medicações preventivas recomendadas e cerca de 278 milhões de pessoas na África ainda vivem em casas sem mosquiteiros. Morrem todos os anos quinhentas mil pessoas e a OMS solicita o diagnóstico precoce para todos os casos suspeitos. O organismo também desenvolveu uma nova estratégia global contra a pandemia para o período 2016-2030, que no próximo mês de maio será examinado pela Organização Mundial da Saúde e que visa reduzir o impacto da malária em 40% até 2020, bem como eliminá-la em pelo menos 35 países até 2030. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁFRICA/ETIÓPIA - “Traficantes de seres humanos, parem de enganar os jovens com falsas promessas”, pedem os Bisposhttp://fides.org/pt/news/39783-AFRICA_ETIOPIA_Traficantes_de_seres_humanos_parem_de_enganar_os_jovens_com_falsas_promessas_pedem_os_Bisposhttp://fides.org/pt/news/39783-AFRICA_ETIOPIA_Traficantes_de_seres_humanos_parem_de_enganar_os_jovens_com_falsas_promessas_pedem_os_BisposAddis Abeba - “A comunidade internacional intervenha para que atrocidades semelhantes não se repitam e pedimos aos traficantes de seres humanos que parem de enganar os jovens que deixam o país com meios ilegais”: é o que afirmam os bispos católicos da Etiópia em sua mensagem sobre o assassinato na Líbia de trinta cristãos etíopes e eritreus pelo Estado Islâmico, documentado em um vídeo difundido em 19 de abril. <br />“Estas pessoas não eram militares mas migrantes inocentes, esperançosos de um futuro melhor”, afirmam os Bispos. “Estamos tristes que estes jovens tenham sido mortos porque se recusaram a mudar de religião, em um mundo onde todo ser humano, independentemente da raça, da cor da pele e da religião deve poder viver em qualquer país tendo seus direitos respeitados”. Referindo-se aos autores do massacre, a mensagem prossegue: “estes atos terroristas não representam alguma religião; sabe-se que são assassinos cruéis que matam até os fiéis de sua mesma religião”. <br />Depois de recordar que a Etiópia acolhe milhares de refugiados de outros estados, os bispos expressam o pedido de que os imigrantes etíopes sejam tratados com respeito pelos seus direitos e pedem aos traficantes de seres humanos para “parar de enganar os jovens que deixam os seus países por meios ilegais”. Para os jovens que "ainda estão planejando migrar de seu país” pedem para “não empreender a viagem sem ter a certeza de que o país de destino irá fornecer proteção e eles não cairão na armadilha dos traficantes de seres humanos viajando sem os documentos necessários".<br />Os Bispos convidam os jovens "a considerarem a opção de trabalhar e crescer no seu país e a deixarem de lado a ideia de imigrar para outro país onde não há segurança”. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁFRICA/NAMÍBIA - “A Namíbia é um país estável, mas aumenta o abismo entre ricos e pobres” diz o Presidente da Conferência Episcopalhttp://fides.org/pt/news/39782-AFRICA_NAMIBIA_A_Namibia_e_um_pais_estavel_mas_aumenta_o_abismo_entre_ricos_e_pobres_diz_o_Presidente_da_Conferencia_Episcopalhttp://fides.org/pt/news/39782-AFRICA_NAMIBIA_A_Namibia_e_um_pais_estavel_mas_aumenta_o_abismo_entre_ricos_e_pobres_diz_o_Presidente_da_Conferencia_EpiscopalRoma - “Há 25 anos da independência, a Namíbia é um país politicamente estável e em crescimento econômico. Um dos maiores problemas que devemos enfrentar é a distribuição da riqueza produzida. Vemos aumentar, a cada ano, o abismo entre quem tem e quem não tem. Os ricos se tornam cada vez mais ricos e os pobres, mais pobres. Temos, porém, um sistema judiciário eficiente, que acentua a responsabilidade do governo e também os Ministros corruptos correm risco de ser levados à juízo e de acabar na prisão”: assim, Dom Nashenda Liborius Ndumbukuti, Arcebispo de Windoek e Presidente da Conferência Episcopal da Namíbia, em Roma em visita Ad Limina, descreve à Agência Fides a situação do país africano.<br />“Desde a independência, até hoje, não houve uma guerra civil. Neste período de tempo, sucederam-se três Presidentes. Nenhum deles quis permanecer mais do que dois mandatos de 5 anos, como previsto na Constituição”, sublinha o Arcebispo. <br />Dom Ndumbukuti explica que “as prioridades pastorais mudaram em relação ao passado. Não somos mais na emergência dos tempos da guerra da independência e agora podemos levar adiante um programa pastoral ordinário centrado no ensinamento do Evangelho. Ao lado disso, destacamos os programas sociais para aliviar a pobreza. Investimos de modo especial nas escolas e esta é a nossa maior contribuição para o desenvolvimento do país. Em termos econômicos, podemos fazer pouco, mas estamos contribuindo na formação de uma nova classe de dirigentes e empresários para o futuro desenvolvimento da Namíbia”, prossegue o Arcebispo.<br />Investimos muito também nos postos de saúde, especialmente nas áreas rurais, aonde cuidados médicos não são facilmente acessíveis. Desde 1998, administramos um programa de prevenção contra a difusão do HIV e da Aids e de distribuição de medicamentos antirretrovirais para quem contraiu o vírus e a doença. É dada atenção especial aos órfãos cujos pais morreram de Aids”, acrescenta ainda Dom Ndumbukuti. Sobre as relações com o Estado, Dom Ndumbukuti afirma: “temos boas relações com as autoridades estatais, reguladas por um acordo, ao ponto que designamos uma pessoa para manter os contatos entre a Conferência Episcopal e o governo. Isto não significa que se for preciso desafiar o governo sobre um certo tema, não o fazemos. Cooperamos, mas continuamos sendo voz independente das autoridades. O governo aprecia nossas iniciativas e fornece subsídios às nossas escolas e hospitais”, conclui o Presidente da Conferência Episcopal”. <br />A República da Namíbia deve seu nome ao deserto de Namib, que a caracteriza em grande parte, junto ao do Kalahari. A capital é Windoek. Confina ao norte com Angola e Zâmba, a leste com Botsuana e a sul com a África do Sul; a oeste tem o Oceano Atlântico. Tem área de 824.292 km2 e conta 2.220.000 habitantes, dos quais 444.000 católicos. Há 3 circunscrições eclesiásticos. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200EUROPA – Um milhão de crianças morrem devido a doenças do pneumococo mas as vacinas custam demaishttp://fides.org/pt/news/39781-EUROPA_Um_milhao_de_criancas_morrem_devido_a_doencas_do_pneumococo_mas_as_vacinas_custam_demaishttp://fides.org/pt/news/39781-EUROPA_Um_milhao_de_criancas_morrem_devido_a_doencas_do_pneumococo_mas_as_vacinas_custam_demaisRoma – A cada ano, cerca de um milhão de crianças morrem devido a doenças do pneumococo. Atualmente nos países mais pobres, o preço para vacinar uma criança é 68 vezes mais caro do que em 2001, e muitos países do mundo não podem adquirir novas vacinas por causa dos preços elevados. Não existe competição no mercado e os laboratórios farmacêuticos impõem custos muito diferentes para o mesmo produto, dependendo dos mercados. <br />Uma nota dos Médicos Sem Fronteiras recebida pela Agência Fides aponta que a ONG acaba de lançar a campanha global “A fair shot” para convidar alguns laboratórios a reduzir o preço da vacina pneumocócica nos países em desenvolvimento, a fim de consentir mais proteção contra esta perigosa bactéria. Por exemplo, a Tunísia paga mais do que a França; e a África do Sul paga quase o triplo do que o Brasil. <br />Um dos motivos do elevado preço das vacinas é que são disponíveis poucas informações sobre os preços, e isto obriga muitos países em desenvolvimento e agências humanitárias a negociar com laboratórios farmacêuticas sem a possibilidade de comparar os preços. Em cerca de 45 países, não existem informações sobre o preço da vacina. Em vista da World Immunization Week, MSF convida o público a apoiar a sua campanha nas redes sociais. A cada ano, as equipes dos MSF vacinam milhões de pessoas, a maioria delas em resposta a epidemias de doenças como sarampo, meningite, febre amarela e cólera. No passado, a ong comprou a vacina pneumocócica para utilizá-lo em suas operações de emergência. Em 2013 vacinou os refugiados de Yida, no Sudão do Sul. Em 2014, fez vacinações semelhantes com a vacina PCV para os refugiados em Uganda e na Etiópia. Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200EUROPA/ESPANHA - Migrantes: desilusão pelo regulamento CIE, aprovado há um ano e ainda não atuadohttp://fides.org/pt/news/39780-EUROPA_ESPANHA_Migrantes_desilusao_pelo_regulamento_CIE_aprovado_ha_um_ano_e_ainda_nao_atuadohttp://fides.org/pt/news/39780-EUROPA_ESPANHA_Migrantes_desilusao_pelo_regulamento_CIE_aprovado_ha_um_ano_e_ainda_nao_atuadoMadri – Terça-feira, 22 de abril, no escritório do "Defensor del Pueblo" , o Serviço dos Jesuítas para Migrantes apresentou o “Relatório CIE 2015” , que são alvo de numerosas polêmicas por causa da falta de organização e de assistência. O relatório se refere também às conhecidas como “as expulsões expressas”, que negam aos imigrantes sem-documentos a possibilidade de expor sua situação em um tribunal, condenando-os à expulsão imediata. <br />No fim da apresentação, Miriam, latino-americana que viveu “a expulsão expressa” de seu filho, deu o seu testemunho, contando as atrocidades deste sistema.<br />O relatório de 72 páginas se divide em três partes: situações nos CIE; indiferença das autoridades em relação ao despeito do regulamento dos CIE; expulsões expressas decididas de modo livre e sem algum controle. A nota enviada à Fides indica que durante a apresentação do Relatório, Miguel González, Coordenador do Serviço dos Jesuítas para Migrantes, destacou a sua profunda desilusão porque o regulamento do CIE foi aprovado há mais de um ano e acolhido com esperança por aqueles que trabalham neste campo, mas depois de um ano, nada foi colocado na prática. O mais grave é que ainda não foram nomeados o diretor, o secretário e o médico de cada CIE, como prevê o regulamento. Em relação às expulsões, o relatório frisa que “a realidade é que nos dirigimos para um modelo de repatriação com duas velocidades. As ‘expulsões expressas’ já superaram as expulsões dos Centros CIE ”. <br/><strong>Link correlati</strong> :<a href="http://www.fides.org/spa/attachments/view/file/Informe_2015_jesuitas_CIE.pdf">Relatório CIE 2015:</a>Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200EUROPA/ARMÊNIA - Patriarca maronita: evitam nomear o Genocídio armênio porque têm medo das consequências legaishttp://fides.org/pt/news/39779-EUROPA_ARMENIA_Patriarca_maronita_evitam_nomear_o_Genocidio_armenio_porque_tem_medo_das_consequencias_legaishttp://fides.org/pt/news/39779-EUROPA_ARMENIA_Patriarca_maronita_evitam_nomear_o_Genocidio_armenio_porque_tem_medo_das_consequencias_legaisErevan - “Depois de cem anos, a comunidade internacional está procurando uma definição para genocídio armênio e tem medo de chamá-lo Genocídio porque teme as consequências legais”. Assim, o Patriarca de Antioquia dos Maronitas, Bechara Boutros Rai, explicou a relutância de nações e organismos internacionais em proferir a palavra ‘genocídio’ para indicar os massacres planejados de armênios ocorridos na Anatólia em 1915. As declarações do Patriarca Rai foram concedidas em Erevan, onde o Primaz da Igreja maronita se encontra para participar das comemorações oficiais do centenário do Genocídio armênio. <br />Sem citar expressamente a Turquia – que exerce pressões diplomáticas em todos os níveis e em todas as direções para evitar que a definição de Genocídio armênio seja utilizada por líderes políticos e religiosos, instituições políticas de algumas nações e organismos internacionais – o Patriarca maronita reiterou a urgência de reconhecer o Genocídio armênio “para evitar que se repitam outros Genocídios”. Se a comunidade internacional não reconhecer o Genocídio armênio, advertiu o Cardeal Rai, “serão cometidos outros Genocídios”, enquanto “nenhum Genocídio, ataque ou massacre pode ser justificado por razões econômicas, como está acontecendo agora”. <br />Das celebrações oficiais em curso em Erevan participam, além do Patriarca Rai, também o Patriarca copta-ortodoxo Tawadros II e o Patriarca sírio-ortodoxo Ignatius Aphrem II. A delegação da Santa Sé é dirigida pelo Cardeal Kurt Koch, Presidente do Pontifício Conselho para a Unidade dos cristãos. .Fri, 24 Apr 2015 00:00:00 +0200OCEANIA/ILHAS DO PACÍFICO – Confirmado o Diretor nacional das Pontifícias Obras Missionáriashttp://fides.org/pt/news/39778-OCEANIA_ILHAS_DO_PACIFICO_Confirmado_o_Diretor_nacional_das_Pontificias_Obras_Missionariashttp://fides.org/pt/news/39778-OCEANIA_ILHAS_DO_PACIFICO_Confirmado_o_Diretor_nacional_das_Pontificias_Obras_MissionariasCidade do Vaticano – Em 27 de novembro de 2014, o Card. Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, confirmou como Diretor nacional das Pontifícias Obras Missionárias nas Ilhas do Pacífico, por outro quinquênio, Irmã Merieti Riiki, das Filles de Notre-Dame du Sacré Coeur . Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200AMÉRICA/ESTADOS UNIDOS – Conhecer a obra de evangelização do pe. Serra: site da arquidiocese de Los Angeleshttp://fides.org/pt/news/39777-AMERICA_ESTADOS_UNIDOS_Conhecer_a_obra_de_evangelizacao_do_pe_Serra_site_da_arquidiocese_de_Los_Angeleshttp://fides.org/pt/news/39777-AMERICA_ESTADOS_UNIDOS_Conhecer_a_obra_de_evangelizacao_do_pe_Serra_site_da_arquidiocese_de_Los_AngelesLos Angeles – A Arquidiocese de Los Angeles, nos EUA, criou um site que fornece informações sobre a importância da obra de evangelização desempenhada pelo frade missionário espanhol, o beato Junípero Serra , que será canonizado em setembro próximo. Segundo a nota enviada à Fides pela Arquidiocese, o site reúne notícias e testemunhos sobre o trabalho desempenhado pelo padre Serra junto às comunidades indígenas da Califórnia, assim como informações sobre a sua vida e sobre seu compromisso com a missão. <br />"Padre Serra era um homem santo que levou a boa notícia do amor e da misericórdia de Deus ao continente Americano" sublinhou o Arcebispo de Los Angeles, Dom Jose Gomez. O Vaticano confirmou que o Papa Francisco vai canonizar Junípero Serra durante sua visita aos Estados Unidos, em 23 de setembro, diante do Santuário nacional da Imaculada Conceição, em Washington. Dom Gomez, recordando especialmente que pe. Serra era considerado o protetor dos indígenas, comentou: “Acho que seja especial o fato que o primeiro santo hispânico dos Estados Unidos será canonizado em solo estadunidense pelo Papa Francisco, primeiro Papa latino-americano”.<br />"A canonização do padre Serra será uma grande benção, reiterou o Arcebispo, contradizendo o comportamento de algumas organizações indígenas que consideram o religioso como colaborador dos espanhóis contra os índios. <br/><strong>Link correlati</strong> :<a href="http://stjunipero.org">Site de Junípero Serra:</a>Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200AMÉRICA/COLÔMBIA - O Conselho Episcopal para a paz analisa a situação das negociaçõeshttp://fides.org/pt/news/39776-AMERICA_COLOMBIA_O_Conselho_Episcopal_para_a_paz_analisa_a_situacao_das_negociacoeshttp://fides.org/pt/news/39776-AMERICA_COLOMBIA_O_Conselho_Episcopal_para_a_paz_analisa_a_situacao_das_negociacoesBogotá – A reunião dos membros do Conselho Episcopal para a Paz , para analisar as perspectivas do processo de paz com os guerrilheiros das FARC e do ELN, se realizou ontem, 21 de abril, em Bogotá. Segundo nota recebida pela Fides, estavam presentes o Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, Dom Luis Augusto Castro Quiroga, que é também Presidente da Comissão nacional de conciliação , um grupo de Arcebispos e Bispos provenientes de várias regiões do país aonde se vive cotidianamente a difícil situação de conflito social e armado, e o Alto Comissário para a Paz, Sergio Jaramillo.<br />Os membros do CEP analisaram, do ponto de vista regional, a situação do processo de negociação entre o governo e os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia . O novo ponto na agenda foi o estudo do andamento dos colóquios com o Exército de Libertação Nacional . Segundo publicado na mídia local, nos últimos dias o caminho do processo de paz foi colocado em discussão por causa de um ato criminoso perpetrado pelas FARC, no qual foram mortos 11 soldados . Somente ontem, foi publicado o relatório oficial do exército colombiano, que aponta que os bombardeamentos ordenados pelo Presidente Santos na área do conflito, consequentes ao crime, causaram 6 mortos entre os guerrilheiros. Ainda ontem à noite, o Presidente Santos enviou uma mensagem às FARC dizendo que agora, “a decisão de agir seriamente está em suas mãos”. É hora de demonstrar que também para vocês, a paz é o bem tão desejado”. <br /> Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/MACAU – Uma nova obra musical dedicada a padre Matteo Riccihttp://fides.org/pt/news/39775-ASIA_MACAU_Uma_nova_obra_musical_dedicada_a_padre_Matteo_Riccihttp://fides.org/pt/news/39775-ASIA_MACAU_Uma_nova_obra_musical_dedicada_a_padre_Matteo_RicciMacau – Domingo, 26 de abril, na Igreja do Seminário de São José em Macau, aonde nos últimos dois séculos numerosos missionários estudaram, será executada a “Missa in honorem Matthaei Ricci” para assembleia, coral feminino, metais e órgão, obra do compositor italiano Aurelio Porfiri, que há vários anos mora e trabalha em Macau. <br />Segundo informações recebidas pela Agência Fides, com esta obra, o autor quer honrar a figura do grande missionário jesuíta Matteo Ricci , que viveu em Macau antes de chegar à China continental. Com a consultoria do liturgista jesuíta padre Cesare Giraudo, foram escolhidos textos que descrevem a especial vocação missionária de Matteo Ricci ou Lì Madou, como é chamado pelos chineses. Embora não se possa falar de “liturgia própria”, esta Missa, em latim, será apresentada durante um concerto com a participação dos coros de várias escolas de Macau. Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/ARÁBIA SAUDITA - Vídeo dos massacres de cristãos etíopes: o jihadista que fala das obrigações dos cristãos é um terrorista sauditahttp://fides.org/pt/news/39774-ASIA_ARABIA_SAUDITA_Video_dos_massacres_de_cristaos_etiopes_o_jihadista_que_fala_das_obrigacoes_dos_cristaos_e_um_terrorista_sauditahttp://fides.org/pt/news/39774-ASIA_ARABIA_SAUDITA_Video_dos_massacres_de_cristaos_etiopes_o_jihadista_que_fala_das_obrigacoes_dos_cristaos_e_um_terrorista_sauditaRiad – O miliciano do Estado Islâmico que no macabro vídeo da execução dos cristãos etíopes faz ameaças contra “o povo da cruz” e lembra as obrigações a que são submetidos os cristãos no Califado é um cidadão saudita: Anas Al-Nashwan, um dos 50 terroristas sauditas mais procurados. Segundo publicado na mídia árabe, é ele que, no vídeo, tem a função de explicar, em árabe, que o Estado islâmico impõe aos cristãos que vivam sob a sua lei de se converter ou de pagar a Jizya, a “taxa de proteção” imposta aos não-cristãos. No vídeo, além das cruéis execuções dos dois grupos de prisioneiros etíopes, são exibidas também imagens de pessoas que falam árabe com sotaque iraquiano e sírio, apresentando-se como cristãos que vivem em paz nos territórios do Califado islâmico depois de pagar “livremente” a Jizya. <br />O emir Anas Al-Nashwan, ex-líder da rede al Qaida no Afeganistão, havia denunciado a sua adesão ao Estado Islâmico – então denominado Estado Islâmico do Iraque e da Síria – em junho de 2014. Deixou o seu país de origem depois que foi divulgada a lista dos terroristas sauditas que incluía o seu nome. É considerado como o autor de um dos livros mais difundidos entre os jihadistas, o “Guia do Mujiaheddin às mais importantes sentenças do Apostata”. .Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/ÍNDIA – Escolas católicas não são contrárias à cultura hinduhttp://fides.org/pt/news/39773-ASIA_INDIA_Escolas_catolicas_nao_sao_contrarias_a_cultura_hinduhttp://fides.org/pt/news/39773-ASIA_INDIA_Escolas_catolicas_nao_sao_contrarias_a_cultura_hinduGoa – “Não estamos aqui para promover nenhuma cultura ou religião”, mas “em nome da laicidade garantida pela Constituição”: é o que afirma, em nota enviada à Fides, a Conferência dos Religiosos de Goa, replicando às acusações lançadas por grupos extremistas que definem as escolas administradas por religiosos como “contrárias à cultura hindu”. O “Movimento nacional hindu” difundiu um apelo aos pais, alertando-os para não enviar seus filhos a colégios cristãos. <br />Pe. Paolo Alvares, representante da Conferência, reitera na nota que “através de nossos institutos educativos, promovemos todas as religiões e encorajamos a elevação e o desenvolvimento de todas as culturas”. Os católicos reafirmam que “o ensinamento oferecido respeita todas as religiões e todas as culturas e visa desenvolver o crescimento das crianças nas dimensões física, intelectual, moral e social”. Recordando que muitas crianças não-cristãs frequentam colégios católicos, os religiosos afirmam: “Nós respeitamos e encorajamos a religião individual e a cultura da criança. Continuaremos também a nos empenhar em servir a sociedade de modo desinteressado, sem distinção de casta, de classe, de religião e de língua, como sempre fizemos”. Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁSIA/PAQUISTÃO - Deteriora-se a situação dos Direitos Humanos no paíshttp://fides.org/pt/news/39772-ASIA_PAQUISTAO_Deteriora_se_a_situacao_dos_Direitos_Humanos_no_paishttp://fides.org/pt/news/39772-ASIA_PAQUISTAO_Deteriora_se_a_situacao_dos_Direitos_Humanos_no_paisLahore – A situação dos Direitos Humanos no Paquistão está se deteriorando fortemente: é o que afirma o último Relatório da “Human Rights Commission of Pakistan” , uma das maiores Ongs da sociedade paquistanesa, com uma ampla rede presente em todo o país. No documento enviado à Agência Fides, intitulado “Situação dos Direitos Humanos 2014”, se nota que o ataque dos militantes à escola militar de Peshawar, que em 16 de novembro matou mais de 130 crianças, simboliza eficazmente a situação dos Direitos Humanos no Paquistão.<br />Segundo o Relatório, aquele ataque representou de algum maneira “uma reviravolta”, enquanto parece ter criado um largo consenso contra o fanatismo no Paquistão. Todavia, Zohra Yusuf, Presidente da HRCP, nota: “É uma pena que este consenso em nível nacional contra os talibãs e outros grupos extremistas não tenha sido traduzido em ação política, permanecendo um assunto militar”. Segundo o texto, 1.723 paquistaneses perderam a vida e 3.143 ficaram feridos no decorrer de 2014 em 1.206 ataques terroristas, 26 dos quais suicidas. <br />Além da luta contra o terrorismo, considerada prioritária, há também a campanha em prol das liberdades: “As limitações à liberdade de expressão não diminuíram em 2014”, nota o Relatório. O Paquistão foi definido “o país mais perigoso do mundo” para a liberdade de imprensa, com 14 jornalistas e agentes da mídia assassinados em 2014. Sobre a condição das minorias religiosas, se afirma que “o extremismo religioso continuou a crescer em 2014: 11 edifícios, entre templos hinduístas e igrejas, foram danificados na província meridional de Sindh, enquanto dois ataques foram conduzidos contra a minoria Zikri em Beluchistan”. No ano passado, foram selecionados 144 episódios de violência sectária, 141 dos quais eram ataques terroristas e três, ataques sectários, revela a Comissão.<br />A “blasfêmia” continua a ser um tema muito sensível na nação, aonde 97% dos 180 milhões de habitantes professa o Islã. A HRCP frisa que “no passado, homicídios por blasfêmia não eram tão frequentes como agora” e que “a intolerância religiosa aumentou notavelmente no país da Ásia meridional nos últimos dez anos”. Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁFRICA/SUDÃO - Epidemia de sarampo em Darfur: os casos continuam a se multiplicarhttp://fides.org/pt/news/39771-AFRICA_SUDAO_Epidemia_de_sarampo_em_Darfur_os_casos_continuam_a_se_multiplicarhttp://fides.org/pt/news/39771-AFRICA_SUDAO_Epidemia_de_sarampo_em_Darfur_os_casos_continuam_a_se_multiplicarCartum – O Ministério da Saúde local confirmou um forte incremento de casos de sarampo no Sudão. Atualmente, se fala de 1.472 pessoas contagiadas. Até agora, os mortos registrados são 25, enquanto os casos suspeitos superam os três mil. Numa coletiva de imprensa, o responsável pelo Escritório de Imunização do Ministério da Saúde alertou a população quanto à proliferação da doença em nível epidemiológico em seis Estados: Norte, Oeste e Leste de Darfur, Sennar, Red Sea, e Kassala. No início do mês de abril, o Unicef confirmou 1.120 casos de sarampo no país. Nos últimos três meses, a doença se difundiu em 29 localidades de 16 Estados sudaneses. O mais atingido é Kassala, com 353 casos e dois óbitos, seguido por Red Sea com 205 casos e 3 óbitos e Darfur do Norte, com 140 casos e 12 mortos. Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200ÁFRICA/EGITO - Imãs e sacerdotes promovem a “cultura do encontro” pregando juntos nas escolas de Minyahttp://fides.org/pt/news/39770-AFRICA_EGITO_Imas_e_sacerdotes_promovem_a_cultura_do_encontro_pregando_juntos_nas_escolas_de_Minyahttp://fides.org/pt/news/39770-AFRICA_EGITO_Imas_e_sacerdotes_promovem_a_cultura_do_encontro_pregando_juntos_nas_escolas_de_MinyaMinya – Tem início hoje a “missão” coletiva de um numeroso grupo de imãs ligados a al Azhar – o maior centro teológico do Islã sunita – e de sacerdotes coptas, que durante alguns dias visitarão juntos as escolas da província egípcia de Minya para encontrar os estudantes e promover em conferências e debates a cultura do encontro e da paz, valorizando-a como base de uma pacífica convivência social e religiosa. A iniciativa, promovida pelo Grande Imã de al Azhar Ahmad al-Tayyeb e pelo Patriarca copta-ortodoxo Tawadros II, tem a finalidade de reforçar o tecido da solidariedade nacional e promover a recíproca tolerância fundada na compartilha de valores comuns, a partir da compaixão e da solidariedade para com os concidadãos em dificuldade. <br />“Os encontros nas escolas – refere à Agência Fides Anba Botros Fahim Awad Hanna, Arcebispo copta católico de Minya – se realizam sob a égide da “Casa da família egípcia”, o organismo de diálogo inter-religioso criado anos atrás pelo Grande Imã de Al Azhar e pelo Patriarca copta ortodoxo, e revitalizado nos últimos tempos como instrumento para prevenir e atenuar as contraposições sectárias, num momento em que a nova explosão do sectarismo fundamentalista parece colocar em risco a própria unidade nacional. Os imãs e os sacerdotes são cerca de 40, e atuam todos na nossa região. Uma iniciativa análoga já se realizou algumas semanas atrás em escolas do Cairo”. O programa pretende envolver gradualmente as escolas em outras áreas do país que sofrem com conflitos sectários, como a província de Minya. .Wed, 22 Apr 2015 00:00:00 +0200