ÁSIA/TERRA SANTA - O Arcebispo Pizzaballa: lei para ‘silenciar’ as mesquitas representaria um “precedente perigoso”

Terça, 20 Dezembro 2016 islã   liberdade religiosa  

wikipedia

Jerusalém (Agência Fides) – O Arcebispo Pierbattista Pizzaballa OFM, Administrador apostólico sede vacante do Patriarcado latino de Jerusalém, manifestou sua contrariedade ao projeto apresentado pelo governo israelense para retirar das mesquitas de Israel os alto-falantes usados para difundir o Adhan, o chamado à oração islâmica feito normalmente pelo muezzin cinco vezes por dia do minarete. “Creio que se trate de um precedente perigoso. Espero que este projeto de lei não proceda. Existem outros modos de resolver o problema da poluição sonora” declarou o Arcebispo Pizzaballa por ocasião da coletiva de imprensa pré-natalina realizada segunda-feira, 19 de dezembro, na sede do Patriarcado latino de Jerusalém.
O projeto de lei, aprovado pela Comissão ministerial para a legislação em meados de novembro e atualmente em trâmite no Parlamento, foi motivado pela necessidade de proteger os cidadãos israelenses do ‘barulho’. A iniciativa legislativa foi vista pelos palestinos como uma provocação com a qual – segundo o Presidente palestino Abu Mazen – se arrisca de “afundar a região num abismo”.
Durante a coletiva de imprensa de ontem, o Arcebispo Pizzaballa também citou o episódio do Vale de Cremisan, onde o Muro de separação imposto pelo governo de Israel foi construído “não obstante nossos múltiplos apelos às autoridades israelenses”. A expropriação das terras das famílias cristãs, realizada para construir o muro – acrescentou o Arcebispo – “representa um sequestro de sua herança”. Delineando também as linhas-mestres do cargo recebido pelo Papa como Administrador apostólico do Patriarcado latino de Jerusalém, Pizzaballa ressaltou que “a nossa Igreja local aqui na Terra Santa reconhece também a própria necessidade de renovação espiritual e está entrando em um período de reforma em termos de administração, organização e trabalho pastoral”. (GV) (Agência Fides 20/12/2016).


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network